Gleici Damasceno – Foto: Adalton Jr/Divulgação
Gleici Damasceno se destaca como protagonista do filme “Noites Alienígenas”, premiado cinco vezes no Festival de Gramado; em projeto espírita “Ninguém é de Ninguém” e agora é estrela da nova série brasileira original da Disney+, a “Tarã”.
Engajada, a acreana desde os 16 anos atua em causas dos direitos humanos. Ela foi a primeira de sua família a terminar o ensino médio, e em seguida provada no curso de artes cênicas da Universidade Federal do Acre.
Se inscreveu no “Big Brother Brasil” e foi selecionada, vindo a mudar os rumos de sua trajetória, já que foi a campeã da 18° edição do programa. Dentro do reality, se posicionou diante de bandeiras importantes, como racismo, feminismo e representatividade.
Ao sair do confinamento, Gleici resgatou seu sonho de ser atriz e passou a estudar interpretação profissionalmente, se formando na Escola de Atores Wolf Maya, Célia Helena Centro de Artes e Educação e em oficinas do diretor e preparador de elenco argentino Eduardo Milewicz.
Leia entrevista exclusiva com a artista:
Como foi para você a experiência de estar no elenco de um filme tão premiado quanto “Noites Alienígenas”?
Foi uma das minhas maiores realizações profissionais, com certeza. Foi o primeiro longa que eu gravei depois que saí do “BBB”, então teve um significado para mim muito grande, um crescimento profissional como atriz. O filme foi o primeiro longa acreano, todo rodado no Acre, com recursos públicos, isso também é de muita resistência e potência, o elenco é formado por muitos atores acreanos e não atores também acreanos, então tem grandes revelações de amigos. Foi muito especial para mim também, por eu estar perto da minha família, perto dos meus amigos… Eu sabia que as pessoas estavam por mim ali nas gravações. O Sérgio de Carvalho, que me convidou, é um diretor queridíssimo e muito profissional. Esse filme foi baseado, inclusive, num livro dele. Quando ele me chamou eu já topei, porque sabia o profissional que ele era, foi muito importante para mim começar com ele.
Como foi a sua preparação para começar a gravar a série “Tarã”, a nova série brasileira original do Disney+?
Para falar sobre a preparação de Tarã a gente entra em várias questões, porque para mim como atriz, e ainda mais agora tendo oportunidade de me preparar melhor, foi um desafio, já que a minha personagem luta, canta, dança… Foi muito especial também! A gente ficou um mês se preparando, fazendo luta, a gente fez também dança, aula de canto, foi uma preparação intensa, a galera se dedicou muito, tanto o elenco quanto a produção. Foi muito especial ter contato com algumas pessoas também, e figuras icônicas como a Xuxa e Angélica.
Que lições você tirou para a vida do “Big Brother Brasil”?
A maior lição que eu tiro do “BBB” é que você não sabe o rumo que a sua vida vai tomar. Então a gente tem que manter os pés no chão e sempre pedir humildade, pedir para Deus e para o universo para você se manter no chão com a cabeça boa, porque você não sabe o que vai acontecer amanhã na sua vida, da mesma forma que a gente pode estar muito bem hoje, amanhã a gente pode estar muito mal. Também aprendi a me valorizar como pessoa e como ser humano ainda mais.
Gleici Damasceno – Foto: Adalton Jr/Divulgação
Como foi a transição da saída vencedora de um reality para a carreira de atriz?
Eu considero que eu ainda estou nessa transição, porque quando você ganha um reality show isso te marca muito, então é um desafio que você tem. Eu acho que é legal a parte desse desafio, você sentir “eu quero, eu vou e eu consigo assim”. Ao mesmo tempo, eu sinto que eu sou bem aceita entre as pessoas, entre os meus colegas, já tive a oportunidade de trabalhar com grandes atores. É muito legal você ver que as pessoas estão de braços abertos para você, eu nunca tive nenhum problema com isso, até agora todos os trabalhos que eu fiz sempre foram muito benquistos. Eu quero que daqui para frente seja cada vez mais!
Você sofreu preconceito por vir de um reality e ainda ser uma mulher negra batalhando por um espaço na indústria de entretenimento?
Ao mesmo tempo que eu sou muito bem aceita por meio dos artistas e do cinema, eu sinto que eu ainda tenho que correr mais atrás do meu espaço. Eu tenho que estar sempre falando mais o que eu quero, e às vezes sinto que é mais complicado realmente chegar. E a gente sabe que isso é estrutural, que existe um problema de racismo no Brasil muito forte. Também existe muito essa questão da regionalidade, mas isso tudo são coisas que a gente aproveita o espaço que tem para falar que existe preconceito com pessoas que vêm de outra região para tentar carreiras no Sudeste, principalmente em São Paulo e no Rio de Janeiro. E a gente vai tentando conquistar o nosso espaço de forma forte, resistente, potente, e principalmente profissional, e uma hora a gente consegue, mas não deveria ser assim.
Qual é a sua relação com a moda?
Eu tento sempre me expressar através da moda. Se estou me sentindo sexy ou fofa, tento colocar uma roupa que expresse isso, moda é expressão para mim, acho que é uma das formas mais lindas de você se comunicar e comunicar quem você é. A minha relação com a moda é muito tranquila, muito leve e a gente se dá muito bem, eu sempre procuro usar a moda para expressar como eu estou no momento e mostrar a minha personalidade.
Você tem algumas rotinas de beleza que possa compartilhar?
Eu faço meu skincare diário, de manhã e à noite. E o que eu posso compartilhar com todas as pessoas é o uso de protetor solar! É até clichê falar isso, mas eu não saio de casa sem ele, eu passo de manhã e reponho durante o dia, pode ter certeza que com o uso do protetor a beleza vem e será mantida (risos).
O post Gleici Damasceno fala da transição de vencedora de reality para atriz apareceu primeiro em Harper’s Bazaar » Moda, beleza e estilo de vida em um só site.